<$BlogRSDUrl$> Página Principal Escreva para Haylton Farias OutSite Ordem Ancestral da Santa Ignorância Sistêmica

terça-feira, abril 26, 2005



EMOÇÕES

Não há nenhuma atividade humana que não esteja fundada, sustentada por uma emoção, nem mesmo os sistemas racionais, porque todo sistema racional, além disso, se constitui como um sistema de coerências operacionais fundado num conjunto de premissas aceitas a priori.
E esta aceitação a priori desse conjunto de premissas é o espaço emocional.
E quando se muda a emoção, também muda o sistema racional.

(ex-traído de "Cognição, Ciência e Vida Cotidiana" H. Maturana, 2001 - ED. UFMG)

quinta-feira, abril 07, 2005



RESPONSABILIDADE II

Não, a responsabilidade não é da ciência.
A Responsabilidade é das pessoas. Nenhum domínio de conhecimento é responsável. São as pessoas as responsáveis.
Porque a responsabilidade tem a ver com os desejos das pessoas, com o dar-se conta de que as consequências de seus atos são desejáveis. Tem a ver com o querer, com os desejos. Eu conheço as consequências dos meus atos, e as desejo?
Então meus atos são atos responsáveis.
Conheço as consequências dos meus atos e não as desejo e, portanto, não ajo assim. Então meu não agir é responsável. A responsabilidade do cientista está na sua responsabilidade como pessoa!

(ex-traído de "A Ontologia da Realidade" de H. Maturana, UFMG, 2001)

terça-feira, abril 05, 2005



RESPONSABILIDADE

Bem, eu penso que no momento em que a gente se dá conta da responsabilidade - quer dizer, não se encontra simplesmente envolvido com ela; mas se dá conta de que o mundo que vivemos tem a ver com a gente, com o indivíduo - esse é um momento que é comovente e libertador.
É comovente porque resulta que o que fazemos não é trivial.
É libertador porque dá sentido ao viver.
Não lhe dá sentido transcendente, mas um sentido imediato todo o tempo. As coisas que fazemos são sempre significativas. Quaisquer que sejam, até mesmo coçar o nariz e, claro, dependendo do espaço em que se faz algo, são distintas sua implicações, sua forma de integração no contexto da convivência.

(ex-traído de "A Ontologia da Realidade" de H. Maturana, UFMG, 2001)

This page is powered by Blogger. Isn't yours? |